Street Fighter é um dos maiores fighting games da história, que além do Mega Drive, também contou com uma versão no Master System, produzida exclusivamente pela Tectoy e lançada no console em 1997.


A história por trás desse desenvolvimento é bem curiosa: “Há muito tempo a gente estava ensaiando ter esse cartucho pro Master e a Sega não queria fazer, dizendo que era impossível, mas eu acredito é que eles não tinham cronograma para fazer. A Tectoy insistiu e aí resolvemos pegar as artes do jogo de Mega, abrindo o binário, arrancando com emuladores, reduzir pro tamanho de Master e movimentar elas, gerando um protótipo de movimento. Eles [a Sega] continuaram com a mesma posição. Aí pensamos ‘Quer saber? Já fizemos todo o trabalho da arte, vamos fazer o jogo.’ E aí tocamos o barco“, revelou Heriberto Martinez, coordenador de software na época, em entrevista para o Blog Tectoy.


Stefano Arnhold, presidente da Tectoy, também já comentou em entrevistas que a Tectoy fez uma “brincadeirinha” ao apresentar o jogo para um produtor da Capcom: “Nós escondemos o Master System da visão dele, e demos controles de Mega Drive para que ele testasse o jogo. Inicialmente, ele achou o jogo muito fraco para os padrões do Mega Drive e disse que poderíamos melhorar muito ainda“.

“Ao final, revelamos que na verdade era um console de 8 bits que estava rodando o jogo. Ele ficou impressionado com a capacidade do console de gerar sprites daquele tamanho e aprovou o jogo“, concluiu.


Assim, o Master System foi o único console 8 Bits a ter uma versão oficial dos famosos lutadores de rua, com um cartucho de 8 Mega.

Obviamente, o jogo sofreu vários cortes devido à limitação de hardware do Master System, assim como a jogabilidade, que usava apenas o controle de dois botões do console. Ainda assim, o título se mantém bastante fiel ao conceito original do game, com um resultado impressionante para as capacidades do videogame.


O jogo apresenta oito lutadores (ao invés dos 12 originais) com um único objetivo: viajar pelo mundo, sobreviver ao torneio e provar ser o mais forte de todos os combatentes!

Ryu, M. Bison, Ken, Guile, Chun-Li, Blanka, Sagat e Balrog foram os escolhidos para participarem dos combates – E. Honda, Zangief, Dhalsim e Vega ficaram de fora.


Os oitos cenários de cada personagem foram retratados da melhor forma possível, mas o grande destaque mesmo fica com a caracterização dos lutadores, que se apresentam em grandes tamanhos na tela e com um alto nível de detalhes. Outro ponto de destaque sãos as vozes digitalizadas para anunciar o nome do lutador, os rounds e a vitória/derrota – no entanto, durante as lutas não há vozes.


“Street Fighter II” para o Master System foi um projeto ambicioso da Tectoy e um presente especial para os gamers brasileiros, que provou que mesmo com as limitações do console, era possível ter uma versão de qualidade desse grande clássico.

Fonte: Blog Tectoy