Desenvolvido pela VM Labs, o Nuon era uma plataforma de jogos dos anos 2000 completamente diferente de qualquer outro sistema lançado em sua época. Seu conceito foi criado por Jeff Minter e Richard Miller, antigos funcionários da Atari que abandonaram a empresa após o lançamento do Atari Jaguar.

A ideia central do Nuon era a de um ecossistema de jogos e não um console. Para que isso fosse possível, a tecnologia do aparelho foi licenciada para diversas fabricantes, que por sua ficaram responsáveis por criar diversas versões do mesmo, uma estratégia semelhante a utilizada pelo 3DO em 1993, o diferencial fica na forma como essa plataforma seria vendida. Pois, como o 3DO já havia provado, esse sistema de produção de consoles cria um problema em relação ao preço dos aparelhos, pois como as fabricantes não recebiam nenhum tipo de comissão pelos jogos, elas tinham que conseguir lucrar com a venda direta do aparelho, o que fez com que o console chegasse ao mercado por mais de duas vezes o preço dos concorrentes.

Para resolver esse problema, o sistema do Nuon foi criado para funcionar como uma central multimídia, que poderia ser instalado em aparelhos de DVD, oferecendo algumas vantagens interessantes para a época, como preview de cenas. Gigantes como Toshiba e Samsung abraçaram a ideia e em 2000 os primeiros aparelhos equipados com a tecnologia foram lançados.

O Sistema:


Para a época, as especificações do Nuon eram confusas, o centro do aparelho era um processador 32 bits criado pela própria VM Labs, dentre os diferenciais desse componente está o suporte para até 2GB de memória física (que nunca foi usado), a capacidade de rodar instruções utilizando 128 bits SIMD floating point e o suporte a HDDs opcionais de até 137GB. Originalmente concebido em 1996, essas especificações fariam dele a opção mais poderosa do mercado, mas a tecnologia necessária para faze-lo um DVD player ainda não estava disponível, o que fez com que o sistema só pudesse ser lançado quatro anos depois. Quando ele finalmente chegou ao mercado, o Dreamcast já estava perdendo o seu impulso e o PS2 seria lançado em alguns meses, dessa forma a tecnologia do Nuon já era consideravelmente obsoleta.

Como se a falta de poder não fosse o suficiente, os aparelhos sofriam de um problema de compatibilidade entre acessórios e jogos. O caso mais famoso é o de Freefall 3050 A.D. que exigia a utilização de um controle especial similar ao utilizado no Nintendo 64.


Como DVD-Player a situação também não era positiva para a VM Labs, enquanto o sistema apresentava vantagens reais frente as soluções usadas por aparelhos comuns, elas dependiam das distribuidoras de DVDs para serem realmente utilizadas. E a única delas que viu algum potencial nessas novas funções foi a 20th Century Fox, que publicou 4 filmes para a plataforma (The Adventures of Buckaroo Banzai Across the 8th Dimension, Bedazzled, Dr. Dolittle 2 e Planet of the Apes) e abanou o suporte após um ano de vendas decepcionantes.

Os Jogos:

A biblioteca do console é uma das menores da história, com apenas 8 títulos, dos quais um era exclusivo para aparelhos da Samsung, outro era exclusivo para aparelhos da Toshiba, um foi retirado do mercado por ser incompatível com alguns modelos e outro era exclusivo para o mercado sul coreano. Ou seja, apenas 4 títulos poderiam ser jogados em todas as plataformas equipadas com o Nuon, mas surpreendentemente, eles não eram ruins.

Freefall 3050 A.D:



Considerado um dos best sellers do aparelho, com 10 mil unidades vendidas mundialmente. O jogo segue a história de Alexander Menon, um policial atuando no ano 3050, onde a humanidade vive em construções extremamente elevadas na estratosfera. Menon faz parte de uma elite de policiais, os Drop Corps, cujo o trabalho é eliminar criminosos enquanto eles caem das altíssimas construções.

O jogo se passa durante essas quedas, onde o jogador pode movimentar o protagonista em um plano bidimensional, coletando itens e eliminando inimigos durante o trajeto. Apesar da ideia bizarra e da necessidade um controle especial, o jogo foi bem recebido pela crítica, com revista GameFan clamando que “a originalidade e ideias usadas nesse jogo poderiam criar um novo precedente para game design”.

Em 2007 um jogo chamado Screwjumper foi lançado via Xbox Live Arcade, utilizando as mesmas ideias de Freefall 3050 A.D e sendo considerado como uma espécie de sucessor espiritual. A crítica, no entanto, não foi tão boazinha com ele.[/div]

Merlin Racing:



Sendo o único jogo de corrida disponível para o aparelho, Merlin Racing é um clone do popular Diddy Kong Racing lançado para o Nintendo 64. Praticamente tudo nesse jogo é uma copia de algo utilizado no título da Rare, os personagens são animais, as pistas utilizam 3 veículos diferentes e existe um hub world com um modo história.

Porém, isso não quer dizer que o jogo seja ruim, com 25 pistas e Split screen para até dois jogadores, esse é, definitivamente, o jogo mais completo do sistema.[/div]

Space Invaders XL:



Desenvolvido pela Taito, se trata de uma releitura do clássico Space Invaders. O gameplay é exatamente o mesmo do tradicional, mas novos modos foram adicionados como time atack e multiplayer. É talvez um dos itens mais raros do console, mas no que diz respeito a gameplay é uma das versões mais genéricas do clássico e um dos piores jogos disponíveis no Nuon.[/div]

Tempest 3000:



Se existe um motivo para colecionar o Nuon, esse motivo é com toda certeza Tempest 3000, sequência de Tempest 2000 um dos melhores exclusivos do Atari Jaguar. Nos jogos da franquia, o jogador controla uma pequena nave no topo de uma grade e deve impedir que os inimigos que estão subindo por essa grade cheguem ao todo.

Os visuais de Tempest 3000 são extremamente coloridos e psicodélicos, acompanhados de uma trilha sonora eletrônica de excelente qualidade. O jogo é repleto de opções, permitindo que os jogadores escolham a trilha sonora e até mesmo reduzam as opções gráficas, caso se sintam incomodados com a explosão de cores.[/div]

Os outros jogos disponíveis para o console são: Iron Soldier 3 (incompatível com alguns modelos do console), Ballistic (similar a Zuma, exclusivo da Samsung), The Next Tetris (port de Tetris do PS1, exclusivo da Toshiba) e Crayon Shin-Chan 3 (baseado no anime/manga de mesmo nome e exclusivo da Coreia).

Legado:

Por conta da natureza da plataforma, ninguém sabe ao certo quantas unidades foram vendidas, mas a plataforma sobreviveu por 3 anos, sendo lançada em 2000 e descontinuada em 2003. A VM Labs acabou sendo adquirida pela Genesis Microchip e, aparentemente, dissolvida pela sua nova dona.



A comunidade em torno do Nuon também é pequena e apesar dos esforços da VM Labs, que liberou em 2001 um kit de desenvolvimento de homebrews oficial, apenas alguns poucos ports foram criados para a plataforma. Dentre os quais se destacam um port de DOOM e o Nuance, um emulador do Nuon para Windows.

Não existem planos de reviver a plataforma e os aparelhos originais são difíceis de se serem encontrados no Brasil, mas são relativamente baratos nos Estados Unidos e Japão. O principal obstáculo para os colecionadores são os jogos e acessórios, que além de raros, podem chegar a valores absurdos dependendo do estado (pensem em quase U$500 por um controle).

No final o Nuon até possuía uma ideia interessante, mas demorou demais para chegar ao mercado, falhando em capturar a atenção do público e das editoras.

Fonte: Retro Blast