RETRO GAMES BRASILConectar-se

Compartilhe

descriptionRpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
//////////////////////////////////RPG Tático PS2///////////////////////////////////


Disgaea: Hour of Darkness




Do outro lado da vida existe um reino dos mortos dominado pelo mal, um abismo profundo muito além das terras dos mortais. Essa terra amaldiçoada fica em algum lugar desconhecido, mas todos a temem mesmo assim. E dois anos depois da morte do rei Krichevskoy, soberano desse mundo, seu filho Laharl acorda de um longo sono, ignorante da morte de seu pai. Mas pior do que isso - ele não sabe dos planos de um grupo de demônios que pretendem usurpar o trono.




Assim Laharl deve contar com a ajuda da ajudante Etna e seus subordinados para retomar o seu trono - seja ele mais egocêntrico e mesquinho do que os demônios ou não! Essa é a prerrogativa de Disgaea. Com mais de 100 magias e habilidades especiais o jogador deve coordenar seus exércitos infernais para derrotar seus inimigos. Um sistema de formação permite que até quatro personagens encurralem um oponente e quadrupliquem o dano causado.




Cada um dos lutadores pode ser personalizado com mais de 150 classes de lutadores e monstros, que podem ser trocados em tempo real no campo de batalha para se ajustar à sua estratégia. Você pode até mesmo arremessar inimigos e aliados para ganhar vantagem tática. E o ambiente pode ajudar você a decimar um exército inteiro com um golpe se bem utilizado. Com mais de 40 horas de jogos e múltiplos finais, Disgaea é um belo passatempo.


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Disgaea 2




Em Disgaea 2, o protagonista Adel é o único ser humano que não foi transformado em monstro pela maldição de Xenon, um dos demônios superiores do mundo das trevas. Mas depois de algumas trapalhadas, típicas dos jogos da Nippon Ichi, acaba embarcado numa aventura com Rosalinda, que vem a ser filha de Xenon. Ela, como legítima filhinha-de-papai, não sabe nada do mundo exterior e é responsável pelas maiores gafes do título.




Mas eles não lutarão sozinhos. Eles poderão criar personagens genéricos com funções definidas, como guerreiros, magos e inúmeros tipos de classes. O visual dos lutadores foi herdado basicamente do primeiro Disgaea, mas há modelos vindo também de Phantom Brave. Aliás, o estilo de arte, que lembra os desenhos de Final Fantasy Tactics, é um dos pontos altos e um dos diferenciais dos games da Nippon Ichi. O sistema de jogo é bastante similar ao antecessor, com o jogador mexendo as peças como um jogo de xadrez. Mas a liberdade é muito maior que os outros games do gênero RPG com estratégia. Além de ataques normais, há combos, que acontecem quando vários personagens atacam o mesmo inimigo, ou até mesmo golpes combinados, com até quatro lutadores participando de um mesmo ataque.




Disgaea 2 dá seqüência à filosofia de incluir sistemas malucos, pouco vistos em jogos. Assim, como no antecessor, o sistema de parlamento é usado para decidir algumas iniciativas do jogador. Por exemplo, se o usuário quiser criar um personagem poderoso, precisará enviar a proposta para o parlamento, para que os congressistas aprovem, ou não, o pedido. Mas, às vezes, a requisição pode ser feita com um pouco mais de pressão - física, obviamente.


//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Makai Kingdom




Makai Kingdom é mais uma criação da Nippon Ichi Soft, a mesma de Disgaea. Se você é fã do RPG estratégico será fisgado pela história, sistema de jogo e pela arte de Takehito Harada, que mais uma vez é responsável pela criação da arte dos personagens.




A trama continua trazendo a deliciosa simplicidade característica da empresa: algo sai muito errado numa tentativa de reescrever a história e Lord Zetta, senhor do mundo subterrâneo, acaba criando um cataclisma de proporções catastróficas. Mas quando tudo parecia perdido, três deuses perversos voltam no tempo para recriar o mundo. Agora, Lord Zetta deve lutar para se tornar mais uma vez o senhor supremo e desta vez se livrar dos três deuses. No que diz respeito à ação, você controla Lord Zetta no comando de seus exército. Makai Kingdom tem um sistema próprio de encantamentos que foi batizado de "Invite". O protagonista é capaz de invocar certas estruturas, que trazem dentro de si as tropas para o campo de batalha - que podem então ser usadas.




O game faz uso de mapas aleatórios, permitindo que cada jogada seja totalmente diferente da anterior - um bônus extra quase desnecessário, visto que os jogos da empresa já costumam durar dezenas de horas.


////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Phantom Brave




Mais um jogo da A Nippon Ichi, produtora de Disgaea, que tem como designer de personagens Takehito Harada. A protagonista do game é uma garota chamada Marone, que vive em uma ilha habitada por fantasmas. Ela comanda esses seres para resolver os problemas dos habitantes da pequena ilha.




Como os fantasmas não tem corpos, eles precisam possuir objetos inanimados para se fazerem úteis: eles podem entrar em pedras, árvores, caixas e muitas outras coisas, sendo que adquirem diferentes atributos para cada um deles. Ao invés do tradicional sistema de quadrados em perspectiva isométrica, o game parece tomar um rumo mais orgânico e colocar círculos para delimitar o alcance de movimento e ataque.




O sistema visual do jogo parece trazer mais elementos 3D para compensar os gráficos chapados com desenhos bidimensionais. Mas apesar das mudanças, a qualidade do combate estratégico segue a linha de Final Fantasy Tactics e Ogre Tactics.


//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Stella Deus




O jogo se ambienta em um mundo à beira da destruição. Ekuwe, um grupo religioso, usa os ensinamentos antigos para prorrogar a sobrevivência do planeta - mas seus discípulos começam a perder sua fé, levando o rei Dignis a tentar derrubar a instituição religiosa. Sufida, a protagonista da história, mora em uma vila que será vitimada pelo mais novo ataque das forças de libertação reais.




Usando um sistema bastante parecido com o de Disgaea, jogadores devem controlar tropas de personagens em combates baseados em turnos. Cada ação custa uma certa quantidade de AP, restringindo as capacidades de cada lutador. Além de aprender novos golpes especiais, habilidade e magias ao ganhar níveis, personagens podem se unir para poderosos ataques combinados.




Stella Deus traz a mesma complexidade e profundidade dos clássicos da Nippon Ichi, mas com uma qualidade visual bem superior.


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Namco x Capcom




Depois de se envolver em brigas com a turma da Marvel e SNK, outra rival da Capcom, a Namco, resolveu convidar a turma de Street Fighter, Darkstalkers e de outros jogos para conhecer o universo do RPG. Exato. Namco X Capcom não é um jogo de pancadaria com os melhores lutadores das duas empresas nos moldes de Marvel vs Capcom e Capcom vs SNK. Produzido pela Monolith (a mesma da série Xenosaga e o recente Xenoblade), trata-se de um RPG tático com elementos de ação.




A salada de universos é bem grande. Do lado da Capcom tem os lutadores de Street Fighter Ryu, Ken, Chun-Li, Vega, Goki, Cammy, Juli e Juni, e ainda alguns de Darkstalkers como Demitri e Morrigan. Eles se unem a Arthur de Ghouls 'n Ghosts, Regina de Dino Crisis, Bruce MacGavin de Resident Evil: Dead Aim e Strider Hiryu de Strider. O jogo se ambienta em Shibuya, Tóquio, cerca de 100 anos no futuro. A cidade é evacuada depois de uma distorção no espaço-tempo, que leva os agentes Alice Rage e Xiaomu, da organização Shinra, para investigar o fenômeno. O portal acaba cuspindo os personagens das duas empresas.




Numa decisão aparentemente óbvia, personagens dos RPGs da Namco aparecem em peso. Entre eles estão KOS-MOS, Shion e M.O.M.O. de Xenosaga, a dupla Stahn Alieron e Rutee Katrea de Tales of Destiny, e ainda Valkyrie de Legend of Valkyrie. Outros personagens da empresa como Jin Kazama de Tekken, Mitsurugi de Soul Calibur e o mascote orelhudo Klonoa também marcam presença. O sistema de combate é inspirado em Super Robot Taisen. Além de ataques tradicionais, cada personagem terá também técnicas especiais que podem ser acionadas ao preencher a barra MAX. Se desejar, o jogador poderá combinar técnicas de dois personagens para um efeito mais devastador.

O jogo só saiu no Japão, mas os fãs lançaram patch com a tradução para o inglês.



//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Suikoden Tactics




Suikoden é um dos RPGs mais característicos dos videogames, um clássico da Konami. Nascido no PSOne, o game se destaca por ter 108 personagens, seguindo a mitologia original. Mas a Konami resolveu dar novos ares para franquia, trazendo esse jogo de estratégia e RPG.




Neste tipo de jogo, cada um dos lados mexe suas peças e tomam ações como ataque e itens. Cada personagem possui suas próprias características: uns podem ser melhores com armas, outros podem ser poderosos magos e há unidades especializadas em recuperar energia. Como em Fire Emblem, alguns personagens podem ter relações de afetividade e aumentar a eficiência. Existem também golpes combinados, que geram grandes danos.




A parte RPG está no fato de que os personagens ganham experiência durante os combates, permitindo melhorar os guerreiros. Como reza a tradição de Suikoden, 108 personagens devem se juntar ao seu grupo, mas, só alguns deles vão para o campo de batalha. Escolher a melhor combinação de guerreiros é primordial para vencer as batalhas. O enredo tem ligação com o quarto episódio, contando os acontecimentos antes e depois de Suikoden IV.



//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

descriptionRpg's Táticos Bons de PS2 Parte-2

more_horiz
Growlanser Generations



Growlanser Generations traz no mesmo pacote o segundo e o terceiro episódios da franquia. Dois grandes RPGs de estratégia. Growlanser II coloca jogadores na pele de Wein Cruz, um cavaleiro que tenta impedir uma grande guerra entre três reinos diferentes. Uma trama densa se segue por horas, revelando muitas surpresas. O maior diferencial deste episódio está no sistema de relacionamentos, que permite aos protagonistas criarem alianças e inimizades durante suas aventuras. Matar inocentes durante as batalhas estratégicas, por exemplo, modifica a maneira como o lutador é visto.



Growlanser III, por outro lado, se ambienta centenas de anos antes dos dois primeiros episódios, trazendo como protagonista um homem sem memória. Durante o desenrolar da aventura, jogadores devem tomar decisões que vão aos poucos definindo a personalidade do protagonista - um verdadeiro jogo de interpretação.



A série ficou famosa pela quantidade de extras que traz. Para liberar certas partes do game, é preciso vencer a mesma aventura mais de cinco vezes. Os jogadores dedicados terão literalmente centenas de horas de jogo com os dois títulos do pacote.



//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

La Pucelle Tactics



Depois do sucesso de Disgaea no mercado americano, a Mastiff correu para licenciar o jogo anterior da produtora Nippon Ichi, La Pucelle. Adicionando o sufixo Tactics, o game é mais um exemplo de gráficos 2D em um ambiente de combate baseado em turnos.



O game conta a história de uma garota e sua equipe de inquisitores recém-graduados de uma escola de exorcismo em uma Europa medieval alternativa. O mesmo senso de humor que causou gargalhadas em Disgaea volta com força total enquanto esses jovens caçadores de demônios viajam pela Europa.



Você controla uma heroína nada educada e pouco disciplinada de dezesseis anos que acabou de passar na sua prova de exorcismo com seus colegas em La Pucelle, uma força que caça demônios. Em um mundo onde monstros se passam por humanos e vice-versa, e é possível convencer um oponente a se unir às suas tropas, adicionando mais complexidade às estratégias do game. Com mais de 100 horas de duração para quem quiser explorar todos os segredos do jogo, La Pucelle Tactics é o prato perfeito para quem terminou Disgaea e ainda quer mais.



///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Soul Nomad & the World Eaters



Tudo começou 200 anos atrás, quando um sacerdote maligno chamado Gig invocou três criaturas chamadas World Eaters - os devoradores de mundos. Uma sacerdotisa, Layna, se levantou contra ele, e para derrotá-lo, usou uma estratégia diferente: se sacrificou para separar o corpo e a alma de Gig, aprisionando sua alma em uma espada. Passados os 200 anos, descobre-se que Layna não morreu e fundou uma vila. E aí está lá você, pobre herói, no seu aniversário de 17 anos, quando é nomeado guardião da vila. E por acaso, como presente, você escolhe uma certa espada que possui uma alma aprisionada.



Automaticamente a alma de Gig gruda em você, não podendo mais ser separada. E aí começa um dos aspectos interessantes do jogo: você escolhe entre usar os poderes do sacerdote maligno (naturalmente, reduzidos da época em que criou os World Eaters) ou ficar apenas com as suas próprias habilidades. E isso influencia o desenrolar do jogo. Usar os poderes de Gig vão te levar para o lado maligno e vão ajudar ele a te corromper. Contar apenas com as suas habilidades vai te garantir batalhas extremamente difíceis, mas sem ser controlado pelo vilão/mentor.



O sistema de combate é baseado em turnos, ao melhor estilo Final FantasyTatics. Você anda por um mapa, com cidades e com salas de batalha. Seu objetivo sempre é derrotar o líder de cada unidade inimiga, até limpar o mapa, decretando sua vitória. À disposição, uma grande quantidade de classes de personagens, que evoluem e aumentam seu leque de estratégias.


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Front Mission 4



Front Mission 4 é um jogo de combate estratégico em robôs gigantes com elementos de RPG e conta com dois protagonistas diferentes: uma cientista francesa que investiga uma enorme conspiração na Alemanha e um soldado americano fugindo com uma enorme carga de ouro roubada de um revolucionário venezuelano. Os dois oferecem perspectivas bastante diferentes para os combates devido aos seus meios e recursos, mas a falta de integração entre ambos fará muitos questionarem a razão pela qual as duas histórias são alternadas, e não escolhidas separadamente em um menu como em Thread of Fate.







///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Front Mission 5



Scars of the War dá seqüências às tensões militares entre a United States of New Continent e a Oceana Community Union, as duas forças geopolíticas do mundo de Front Mission. O sistema de jogo mantém suas bases da versão para Super NES, mas também incorpora as inovações feitas ao longo dos anos. O resultado é uma mecânica mais completa, mas também um pouco complexa. Nesta série, as batalha ocorrem basicamente com os robôs conhecidos como Wanzers, que podem ser modificados em diversos aspectos. Há uma grande quantidade de armas, acessórios, armaduras, partes móveis e outras peças que podem ser alteradas ou melhoradas. Cada um dos robôs, naturalmente, traz vantagens ou desvantagens dependendo da situação. O tipo de arma é um dos fatores que mais influencia nos combates. Existem robôs preparados para a luta corpo-a-corpo, com grande poder de ataque, e outros que usam armas de curta e média distância, como metralhadoras e espingardas, e são mais versáteis.



Os Wanzers possuem corpo, braços e base de sustentação, sendo que cada uma das partes tem um funcionamento específico. Por exemplo: se as pernas forem destruídas, a mobilidade fica seriamente comprometida, enquanto o corpo sem energia representa a destruição completa da máquina. Os pilotos também têm grande influência nos combates. Eles possuem diversas habilidades e seu talento determina qual é o estilo de combate mais apropriado. Os líderes podem influenciar o desempenho da tropa inteira e, além dos soldados de seu próprio esquadrão, o jogador também pode convocar militares de outras divisões.



Nessa hora, Scars of the War aproveita para resgatar alguns personagens de jogos anteriores, como Darrel, da quarta versão. Outros guerreiros conhecidos aparecem no modo de batalha virtual, que serve como treinamento. Trata-se de um título de estratégia por turnos, mas suas ações são limitadas por uma pontuação especial. Cada passo ou ataque gasta uma quantidade de pontos, e faz parte da estratégia administrar essa limitação, pois ela também é usada para fazer os contra-ataques. Aliás, o posicionamento é essencial no game, pois existe o conceito de bala perdida.

O jogo só saiu no Japão, mas os fãs lançaram patch com a tradução para o inglês.



////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Eternal Poison



Seguindo um prólogo apresentado pela bela Thage e pelo demônio Raki (semelhante a um lobo), o gamer pode conhecer um pouco mais sobre os princípios básicos da jogabilidade de Eternal Poison. Como sempre, as batalhas ocorrem em um campo de batalha repartido em pequenas áreas iguais. Comandando seus combatentes, o jogador consegue entender mais sobre Majin (demônios), pontos fracos dos inimigos e combates em geral.



Eternal Poison tenta adicionar um ar sombrio ao conceito RPG tático. Dessa forma, as pequenas características distintas do jogo tornam o conjunto final uma opção interessante para os proprietários do PS2.



A história é bastante comum, mas não deixa de cativar os fãs de RPGs de estratégia. A princesa do reino de Valdia foi raptada pelas criaturas do reino de Besek, e o rei Valdus está oferecendo qualquer coisa como recompensa para aquele que recuperar sua filha amada. Com gráficos belos e áudio respeitável, Eternal Poison pode intrigar vários jogadores com sua aparência sinistra.

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
Tópico fundido.

______________________ Assinatura ______________________

Panela dos sulistas.




"The people who speak about the “next generation” are people who don’t know games" - Hiroshi Yamauchi

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
Tópico movido pra área correta.

______________________ Assinatura ______________________

Panela dos sulistas.




"The people who speak about the “next generation” are people who don’t know games" - Hiroshi Yamauchi

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
Ceca, bem vindo ao Retrogames, isprimenta a lingiça......

Ah, e cuidado com o Aloha...(alguém pode me explicar porque diabos temos que ter cuidado, até hoje num entendi  :tudobem: )

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
Pena que a Lenneth faleceu, ela teria curtido esse tópico.

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
Minha recomendação particular:

RING OF RED

Um membro espiritual da franquia FRONT MISSION (feita pelo mesmo time, temas políticos, robôs, etc.), sistema inovador e um dos últimos games a serem lançados em CD no PS2.

Só é triste o quão ruim é a localização do game. Tem tradução tão feia e sem sentido que tu não imagina como foi parar lá

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
sabe pq não existem bons rpgs táticos pra ps2?


pq rpg tático não é bom
:troll:

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
@burn1004 escreveu:
sabe pq não existem bons rpgs táticos pra ps2?


pq rpg tático não é bom
:troll:



Boa, burn!

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
@yon escreveu:
Pena que a Lenneth faleceu, ela teria curtido esse tópico.


Mas ela volto na forma de sudit po


Spoiler :
Brinks, volta lenneth!

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
Sim, RPG tático é um pouco aborrecido!

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
@yon escreveu:
Pena que a Lenneth faleceu, ela teria curtido esse tópico.


Yonyon,  tu me conhece mesmo!

@osayune escreveu:


Mas ela volto na forma de sudit po


Spoiler :
Brinks, volta lenneth!


tadaima (engraçado entrar aki e ver pessoas falando de mim kkk)

Sim, eu amo tactical rpg

Bem, embora seja um tópico antigo , darei minha opinião.  

Rpg tático para minha pessoa, que andou experimentando umas coisinhas, posso dizer, pelo menos até o ps2 que não vi nada que fosse melhor que FF tactics, Disgaea 2 e, fora do playstation, os dois Fire Emblem para GBA.

Geralmente,  os outros rpgs táticos se parecem com um desses citados e nunca é melhor.

Falando no geral

eu joguei o Makai Kingdom, o Phatom Brave, o Stella Deus (que foi o que achei mais chato desses), o Suikoden Tactics (que o maior problema é a câmera), e não senti tesão por eles nem nada.

Os jogos da NIS America são todos engraçadinhos mas não superam Disgaea e depois que vc joga o 2 o 1 fica sem graça.

Mas nada se compara a um lixo que comprei na steam chamado Agarest Generations of War! Pqp, aquilo é muito chato, o mesmo cenário, que é uma foto de um mato, onde quer que vc vá,  desenhos que parecem bonitos de longe mas são mal feitos,  uma arte preguiçosa pra cacete, não vc luta contra 3 ninjas iguais 500000 vezes pra subir de nível e quando eles morrem gritam longamente, o que faz ficar irritante, a trilha é chata. Enfim passem longe desse jogo!

Final Fantasy Tactics sempre será épico e Disgaea 2 é tudo que vc queria fazer no FFT e não pode

E eu me apaixonei pelo  lindo e calmo Sett do Fire Emblem The Sacred Stones.

descriptionRe: Rpg's Táticos Bons de PS2

more_horiz
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum